[wp_show_posts id="376"]

#walreisemoutraspalavras

Não se apequene para caber nos planos de alguém: isso não é amor

Acontece meio devagar e não nos damos conta logo de cara: deixamos de fazer um curso que nos interessava e ia ajudar no trabalho, largamos a faculdade pela metade ou nos abstemos de ir morar em outra cidade em nome de ficar mais perto e por mais tempo de quem roubou nosso coração. No começo, parece o mais lógico a fazer. Afinal, que graça teria viajar – mesmo que a viagem tenha sido planejada há tempos e o destino era um sonho antigo – se a pessoa escolhida não estará junto? Mas aí o relacionamento segue e seguimos mais apaixonados, fazendo de tudo para não magoar a outra parte, com receio que qualquer atitude fora do contexto estrague aquele mar de rosas. E não notamos que o mar de rosas só existe porque somos nós que entramos com as rosas. Não percebemos, uma vez que o foco não está mais em nós. E assistimos filmes de ação quando a preferência são as comédias bobinhas. Vamos fazer crossfit com os joelhos em frangalhos porque seu par acha legal isso de treinar em casal e deixamos de lado nossa predileção por dançar balé. Descobre-se, na prática, que o companheiro morre de ciúmes ... Leia Mais

Deixa de ser mulherzinha

Quem me conhece sabe que eu implico com o dia da mulher e este ano não ia passar sem texto no contrafluxo das mensagens fofinhas ou empoderadas. E o motivo é simples: na minha cabeça, tudo o que precisa ser exaltado é porque não está naturalmente equiparado e, por isso, fica aquele incômodo, aquela sensação de que impor datas comemorativas só aumenta o abismo entre os sexos, entre as raças, entre os gêneros. Não dava só para respeitar como ser humano e pronto? A ladainha do dia da mulher me lembra um pouco discursos de palestras motivacionais: “somos poderosas, multifacetadas, cuidamos de tudo e de todos blá blá blá.” Parece mais aquela história de que uma mentira contada mil vezes vira verdade. Ou ainda um conto da carochinha para que a gente vista a personagem  e apenas “se ache” ao invés de “ser”. Eu conheço mulheres que ganhariam o prêmio de melhores do ano. A questão é que conheço outras que não receberiam o convite nem pra sentar na plateia. E conheço homens que também mereceriam a condecoração. Isso porque qualidades e defeitos vêm de fábrica pra ambos os sexos, sem distinção. Cada vez que recebo – perdoem amigos, sei ... Leia Mais

Cartinha de Natal: querido Papai Noel, me dá um tempo?

Querido Papai Noel, espero que este meu pedido não chegue atrasado ou que você já tenha saído da Lapônia e esteja sem sinal de internet. Eu sei, eu sei: deveria ter me organizado melhor e mandado a cartinha dentro do prazo estabelecido por sua empresa, cumprindo os protocolos que sempre me perseguem. Mas o meu presente tem tudo a ver com este atropelo: Noel, eu quero pedir tempo. Sabe tempo? Aquele que é fundamental para fazer as coisas com calma, organizadamente, sem ter que sair de casa tão atropelado que esquece a alma no elevador? Ou até mesmo para ficar zapeando a TV e reclamando, com ares de tédio, que não tem nada de bom para ver? Ou para passar uma tarde inteira lendo e cochilando de pijama e cabelo sujo? Aquele que é vital para fazer coisas ainda menos nobres, como falar mal dos outros numa mesa de café com uma amiga, sem olhar e-mails de doze em doze segundos ou ter o WhatsApp apitando freneticamente, provando, a cada nova mensagem, que você tem que fracionar tanto o seu tempo para os outros, que acaba não sobrando nada dele para usar como realmente gostaria? Pois é: eu queria este ... Leia Mais

O verdadeiro amor mora nos detalhes e só é reconhecido por quem entende este idioma

Mais fácil confiar no amor que fala baixinho, que sussurra sutilezas do que naquele que esbraveja aos quatro ventos. Porque o amor exibido pode ser, mas tem altas chances de não primar pela sinceridade. Corre o risco de ser apenas um show procurando aplausos ou curtidas nas redes sociais. É quando ninguém está olhando que o amor se manifesta em sua forma mais pura, mais delicada. Mas é uma linguagem tão sutil, que só a compreende quem está com os sentidos apurados para decifrar o idioma. A mãe que recomenda levar o agasalho todas as vezes que você sai de casa está fazendo uma declaração rasgada, que talvez só seja decifrada muitos anos mais tarde: na verdade, é a maneira dela tentar te manter aquecido como quando morava dentro dela. O aroma do café fresco, passado na hora, também é um bilhete amoroso, avisando que você não está sozinho àquela hora da manhã. Tem o “eu te amo, meu filho” não dito, mas expressado pelo pai que deixa o portão sem a tranca todos os dias para facilitar sua entrada. O portão destrancado está gritando que a casa fica mais alegre com sua presença. Assim como o amor reside nas ... Leia Mais

Com que roupa eu vou? As dores e as delícias de vestir sua autoestima

O assunto aqui não é moda, passarelas ou o universo fashionista, apesar de, em um primeiro momento, parecer isso. O tema é a preocupação saudável com a aparência, de como nos apresentamos para o mundo. “Preocupação saudável” porque pode-se incorrer no erro de confundir com o clichê da ditadura da beleza, da necessidade de seguir padrões e, de novo, não é isso. Quando falamos em roupas, acontecem alguns fenômenos interessantes: ou somos tachados de fúteis, sob o argumento de o importante é a essência da pessoa, ou de materialistas porque a tendência é pensar que se trata de um privilégio de quem tem rios de dinheiro para gastar “à toa”. Porém, são contra-argumentos vazios, que deixam escapar a verdade por detrás da falta de cuidado ao se apresentar em público ou para o espelho: negligência com a autoestima e escassez de um olhar amoroso sobre si mesmo. Há um pensamento recorrente de que vestir bem é apenas necessário ao ir a uma festa, ao trabalho ou à igreja e que, no restante do tempo, é só encaixar uma calça e uma blusa “para bater” e evitar sair nu. “Roupa da missa”, diriam alguns. Este tipo de crença alimenta o descuido, ... Leia Mais