[wp_show_posts id="376"]

#compreender

Por que sabotamos projetos pessoais, se eles é que deveriam estar no topo da lista?

Adiamos muito o momento de ser feliz. Tanto que, às vezes, nem dá para fazer isso no tempo regulamentar do jogo. Esperamos a formatura, o emprego estável, o dinheiro sobrar, o casamento engrenar, o crescimento dos filhos e – pasmem – até a morte dos pais para só então implementar algo que seja verdadeiramente por nós mesmos. Mas é tanta espera que, não raro, esses projetos vão perdendo a força ou ficando impossíveis de serem executados, dado o avançado da hora. É como se estivéssemos atrasados para a própria festa, chegando quando a orquestra já entoa os acordes finais e, cansados e sem ânimo devido a longa viagem, nem nos animamos a dançar a última música. Mesmo sem querer, passamos a vida dando satisfação aos outros, numa ânsia frenética de corresponder às expectativas terceiras. Quanto talento desperdiçado, quanto sonho abortado em prol de “ser certinho”, de se encaixar em padrões e não ser taxado de filho ingrato, de desmiolado ou irresponsável. Andando na trilha já pisada, você até escapa de ser apontado como a ovelha negra, mas não se esquiva de uma angústia crescente por sempre ir na contramão de suas próprias vontades, sujeito a morrer atropelado por planos que ... Leia Mais

Até que o excesso de amor nos separe

Já vai? Não, toma mais um café. É cedo. Ainda preciso te contar umas histórias… na verdade, agora não lembro quais são essas histórias. Mas ainda há muito para contar. Afinal, foi dessa forma que Sherazade se livrou da morte e ganhou o amor eterno do rei Shariar, não foi? Hoje entendo o empenho de Sherazade. É difícil encarar o fim. Sempre depois que você sai, eu me recordo de algo que não dividi. E fico esperando a próxima oportunidade. Sim, eu sei. Não teremos outra oportunidade. Por isso acho importante você ficar mais um pouco. Assim eu tenho mais matéria-prima para recarregar minha memória, todas as vezes que precisar recorrer a ela para ter você por perto. Está certo. Combinamos de não dar um tom melodramático.  Na verdade, você combinou. A mim, me coube aceitar. Concordo, claro. Que futuro a gente teria? Só porque nos amamos incondicionalmente, completamos a frase um do outro, rimos juntos a maior parte do tempo, temos princípios similares, os mesmos ídolos, entendemos nossas diferenças e somos nossos maiores fãs? Como dois seres humanos que sentem que o tempo ganha cor quando um está com o outro, que são capazes de conversar por horas intermináveis sobre qualquer ... Leia Mais

A arte de ser só e bem acompanhada ao mesmo tempo

Vou escrever no feminino não porque acredito que o cenário é exclusivo, mas talvez este seja um processo mais evidente entre mulheres: na adolescência, seguimos a fila, entramos no modo “Maria vai com as outras”, como diria minha avó, uma vez que ali o que importa é fazer parte de um grupo, ser aceita. Fica um pouco confuso separar o que realmente queremos daquilo que queremos só porque todo mundo que interessa também quer. Nessa fase, não nos entendemos muito bem, seja fisicamente, seja emocionalmente e o espelho acaba sendo o outro e evitamos um olhar mais demorado sobre nós: tudo parece ter vindo com defeito de fábrica. O mau humor, recorrente da faixa etária, não é gratuito: tende a ser resultado dessa completa falta de compreensão de si, como se convivêssemos com uma desconhecida. Na maioria das vezes, só depois de adultas muitas têm a oportunidade de começar uma espécie de autoflerte. Uma descoberta preciosa que sinaliza que nossa melhor amiga estava ali o tempo todo. Vamos tirando de letra manias e teimosias, enquanto aprendemos a respeitar limites e a valorizar qualidades pessoais e intransferíveis. Vai caindo a ficha de que estar em grupo é ótimo, mas sentar para ... Leia Mais

Um passinho atrás, por favor? Só para recolher o que ficou e seguir em frente mais forte

Muito se fala sobre os fardos pesados que carregamos desnecessariamente: dores, pesares e arrependimentos que prejudicam a caminhada ou nos desviam das rotas planejadas. Mas também acontece o contrário e com a mesma consequência: lotamos a mala com o que não era importante e, em compensação, extraviamos pessoas, hobbies, capacidades natas e desejos, sem perceber que ali sim estava nossa essência. Esse processo de abdicarmos de pedacinhos de quem somos se instala aos poucos e por isso fica complicado reconhecer onde aquele desapego inconsequente começou: um trabalho que pagava melhor, mas não era o idealizado, te roubou de sua verdadeira aptidão; te convenceram de que os amigos da solteirice não combinavam mais com a vida de casado; o curso internacional ou a mudança de cidade trocados por permanecer no mesmo lugar e cuidar da família, enquanto se descuidava de quem você era. Suas ações de voluntariado, o esporte predileto e a coleção de selos deixada no baú das lembranças.  E, finalmente, os amores verdes que, na pressa de seguir adiante, não foram colhidos. O problema é que ficamos maltrapilhos quando despimos nossos sonhos e vestimos o dos outros. Caem mal, ficam frouxos e ajustá-los para que pareçam feitos sob medida ... Leia Mais

Vamos a mais um tratamento de choque

Senta aí, amiga. Solta a garrafa de conhaque e vamos conversar de novo. Primeiro, larga a garrafa de conhaque. Não, eu não deixei a garrafa de conhaque aí pra você se atracar com ela. Por que diabos eu ia te esperar com conhaque? Você não tem resistência nem para licor de menta. Ela estava aí na mesa porque eu ia flambar a carne do estrogonofe para o almoço. Seria um domingo normal e meu único risco era botar fogo na cozinha com o procedimento. Mas aí você ligou dizendo que ia tentar o suicídio. E a última vez que fez esse anúncio se perdeu no centro de São Paulo, tentando achar o Viaduto do Chá. E ainda me disse impropérios quando perguntei por que não pediu informações sobre como chegar lá. Mas conta. Foram à festa? E você colocou aquele vestido parcelado em 12 vezes, que tinha a nobre missão de botar seus peitos pra jogo? Tá. E ele nem comentou nada? Talvez tenha sido melhor assim. Mas todo mundo reparou no seu… look? Sim, acredito. Quem não olhou por gosto, olhou por desgosto. Não, não tem nada de errado com a peitaria. Mas o fato de não ter nada ... Leia Mais