[wp_show_posts id="376"]

#autoconhecimento #mudança

O destino mais difícil de ser deixado para trás: um lugar chamado nunca mais

Alguma vez você teve uma sensação parecida: é o último dia de uma viagem adorável e, enquanto tranca a mala para voltar à rotina, se avizinha uma espécie de melancolia, que transcende o fim das férias: é a certeza de que tudo o que foi vivido ali já faz parte da história e talvez nunca mais volte a ver aquele lugar, aquelas pessoas ou até reveja, mas não será a mesma experiência. Pode acontecer também ao fechar, pela última vez, a porta da casa que foi cenário de sua infância e entrega as chaves ao novo morador. Olhando através das grades da escola onde estudou ou limpando a gaveta de sua mesa no último dia naquele emprego. Ou ainda ao lembrar do último beijo, aquele não será mais repetido. A ideia do “nunca mais” é difícil de ser assimilada até mesmo quando a vivência nem foi assim tão gratificante. Porque é mais sobre a impotência de mandar no tempo, sobre termos a consciência de que não estamos no comando de nada e de que a vida vai passar incólume, independente de tê-la desfrutado ou não. Nem sempre o “nunca mais” tem a ver com a escassez de anos para serem ... Leia Mais

A arte de ser só e bem acompanhada ao mesmo tempo

Vou escrever no feminino não porque acredito que o cenário é exclusivo, mas talvez este seja um processo mais evidente entre mulheres: na adolescência, seguimos a fila, entramos no modo “Maria vai com as outras”, como diria minha avó, uma vez que ali o que importa é fazer parte de um grupo, ser aceita. Fica um pouco confuso separar o que realmente queremos daquilo que queremos só porque todo mundo que interessa também quer. Nessa fase, não nos entendemos muito bem, seja fisicamente, seja emocionalmente e o espelho acaba sendo o outro e evitamos um olhar mais demorado sobre nós: tudo parece ter vindo com defeito de fábrica. O mau humor, recorrente da faixa etária, não é gratuito: tende a ser resultado dessa completa falta de compreensão de si, como se convivêssemos com uma desconhecida. Na maioria das vezes, só depois de adultas muitas têm a oportunidade de começar uma espécie de autoflerte. Uma descoberta preciosa que sinaliza que nossa melhor amiga estava ali o tempo todo. Vamos tirando de letra manias e teimosias, enquanto aprendemos a respeitar limites e a valorizar qualidades pessoais e intransferíveis. Vai caindo a ficha de que estar em grupo é ótimo, mas sentar para ... Leia Mais

Termine uma história de amor para começar outra, mas nunca deixe de ser o protagonista

“Você fugiria comigo hoje?”, perguntou o amante afoito e inconsequente, mais pela frase de efeito do que pela proposta arrebatadora nela contida. “Não”, respondeu a heroína, menos preocupada em dar corda à aventura romântica, digna de sessão da tarde, e mais focada em edificar sonhos. “Antes de ir, tenho que fechar a casa e fazer malas definitivas. Me certificar de não deixar torneiras abertas e janelas sem trinco. Varrer toda a poeira que levei para dentro com meus próprios pés. Regar as plantas, contando que outro jardineiro não demore a encontrá-las. Cobrir móveis, recolher as lembranças que vão me servir e deixar as que já não são mais úteis. E só assim estarei saindo completa e não chegarei aos pedaços na próxima história.” Viver um novo amor requer ter acompanhado toda a novela anterior, com os bons e os maus capítulos, sem pular nenhum. Sair pela porta dos fundos de uma relação vai te obrigar a ingressar na outra igualmente pela entrada de serviço e um amor que se propõe ser verdadeiro merece chegar com tapete vermelho e não pela cozinha. Caso contrário é como tentar trocar o pneu com o carro em movimento ou atravessar a rua sem olhar ... Leia Mais

“No meu tempo”: aquele lugar supostamente mágico, mas que ficou para trás

“No meu tempo tudo isso aqui era campo.” “No meu tempo a gente tinha palavra e não precisava de papel assinado.” “No meu tempo as crianças respeitavam os mais velhos e os professores.” “No meu tempo não tinha essa pouca vergonha.” No meu tempo… Nesse tal de “meu tempo” não existem maldades ou dificuldades. O “meu tempo” é um paraíso na Terra, filtrado por potentes lentes cor-de-rosa. No “meu tempo” morava a felicidade, que ficou lá atrás, irretocável. E esse tempo não deixou só saudades. Ele deixa nossos pés plantados como raízes e nossa cabeça voltada para um lugar que não existe mais. E quem insiste em caminhar olhando para o passado, invariavelmente tropeça no presente. E será que era mesmo tudo isso? “No meu tempo” é uma frase que envelhece automaticamente quem a diz, independente da idade, além de demonstrar o desprezo pelo agora.  O recado é: “meu tempo” foi um banquete farto, cujos pratos principais já foram saboreados e restam os ossinhos de frango para serem roídos para quem não viveu “aquele tempo”. Mas qual é o “seu tempo”, se estamos tratando com vivos? Os anos dourados da juventude? A infância? Depois disso as coisas não deram mais ... Leia Mais

A insustentável leveza de não ser: não dá para fingir quem você não é o tempo todo

Tem muita gente que abre mão de quem é para tentar ser o que os outros esperam. Estamos no tempo da liberdade de pensamento, do respeito às individualidades, mas desde que sua individualidade siga os parâmetros do autor da cartilha de “como ser você no século 21”. Socialmente, temos que ser politizados, ponderados, com empatia para dar opinião sobre quase tudo. Essa sociedade – que nos vigia, cada vez mais, pela internet – espera que formemos a família perfeita, como em um comercial de margarina moderno, no qual as matriarcas não só preparam o café da manhã como são profissionais bem sucedidas, bem vestidas e sensuais, além de criaturas de compreensivas com todos os destemperos do núcleo – independente do tamanho da bizarrice que um filho apronte. Também faz parte do manual de conduta beber com moderação – mas beber –, pensar na sustentabilidade do planeta, consumir menos carne, lutar pelos direitos dos animais e comer mais vegetais – não necessariamente nessa ordem. Ainda no campo alimentar, declarar que está a caminho do sem lactose e sem glúten e que aboliu as gorduras trans da dieta, mesmo que seus olhos brilhem na presença de um torresmo, conta pontos a favor. ... Leia Mais