[wp_show_posts id="376"]

#AprenderALição

Sobre amar alguém que nunca existiu além da sua imaginação

No romance de terror Frankenstein, da britânica Mary Shelley, o estudante de ciências naturais Victor Frankenstein “constrói” uma criatura humanoide com restos de cadáveres. Guardadas as devidas proporções, às vezes, também brincamos de doutor Frankenstein, “construindo” pessoas que não existem, a partir de alguma referência de carne e osso. Acontece mais ou menos assim: a gente conhece alguém, se interessa pela embalagem e por algumas informações que constam no rótulo. E a partir daí, ao invés de ler nas letras pequenas os ingredientes que compõem o produto e tentar saber se não tem nada ali que faça mal à saúde, criamos o personagem com base em referências de “pessoa ideal” e somamos nossas mais seletas expectativas românticas. E está feita a merda (ou m… ou burrada). Obviamente, qualquer começo de relacionamento que se preze é pura sedução. Queremos parecer interessantes, inteligentes e cheios de bom senso, além de darmos aquela disfarçada nas imperfeiçõezinhas. Nada condenável: a prática de parecer melhor do que se é para atrair o parceiro faz parte da dança do acasalamento em muitas espécies na natureza. Mas quando o namoro segue, o tempo funciona como uma grande lente da verdade, que vai mostrando quem é quem, independente ... Leia Mais

Algumas pessoas vão viver em pandemia para sempre

A pandemia fez muito mais do que mudar nossas rotinas temporariamente e levar ao fechamento de fronteiras físicas. Ela também fechou fronteiras morais e, em alguns casos, para sempre. Porque a pandemia pode até sair de cena daqui a algum tempo, mas ela não vai sair de dentro daqueles que, independente da vacina, do controle ou – caso fosse possível – da extirpação do maldito coronavírus da face da Terra já optaram pela doença. Essas pessoas nunca irão acreditar na cura: foram contaminadas pelo vírus da incerteza, do medo e da desconfiança no próximo. São sintomas da gentefobia, que ficaram incubados e só se manifestaram depois da chegada da COVID-19. É como se aqueles que adotaram o #fiqueemcasa como meio de vida para muito além deste estado de exceção já almejassem o isolamento social, mas só depois de toda essa confusão encontraram respaldo técnico-científico para abonar a preferência, dando vazão a receios menos contagiosos que o vírus, mas, às vezes, bem perigosos para a saúde mental. Empunhando a nobre – nobre mesmo! – bandeira de evitar a transmissão, alguns se mantêm em cárcere, encontrando, no máximo, o vizinho de andar ao ir jogar o lixo, extravasando a vontade antiga de ... Leia Mais

Este grande tropeço chamado 2020: mas é hora de levantar e sacudir a poeira

Na minha rotina, apesar de não recomendar, costumo fazer 56 coisas ao mesmo tempo: cozinho e falo no telefone, tomo café da manhã enquanto seco o cabelo, escovo os dentes guardando as toalhas, passo roupa enquanto vejo o noticiário. Além disso, ainda imprimo uma velocidade de atleta queniano em tudo o que faço. Nada é devagar e quando alguém de casa quer me contar algo, minha frase geralmente é:  me segue e vai falando. A justificativa do meu corre diário não é nada incomum: como a grande maioria dos adultos modernos, tenho muita coisa para fazer nas míseras 18 horas em que estou acordada e uma necessidade imensa de corresponder a tudo. Uma ânsia de dar conta, de cumprir horários e metas até que… Até que em uma manhã, enquanto eu arrumava a bolsa para sair, colocava água na planta, estendia a toalha na lavanderia e fazia maquiagem uma gotinha traiçoeira do meu óleo pós-banho, que havia caído no chão do banheiro, encontrou meu pé descalço e cumpriu seu papel de tentar me derrubar. Foi um belo escorregão até minha canela encontrar o gabinete da pia e aparar a queda iminente. Para quem joga futebol, foi mais ou menos como ... Leia Mais

Não se apequene para caber nos planos de alguém: isso não é amor

Acontece meio devagar e não nos damos conta logo de cara: deixamos de fazer um curso que nos interessava e ia ajudar no trabalho, largamos a faculdade pela metade ou nos abstemos de ir morar em outra cidade em nome de ficar mais perto e por mais tempo de quem roubou nosso coração. No começo, parece o mais lógico a fazer. Afinal, que graça teria viajar – mesmo que a viagem tenha sido planejada há tempos e o destino era um sonho antigo – se a pessoa escolhida não estará junto? Mas aí o relacionamento segue e seguimos mais apaixonados, fazendo de tudo para não magoar a outra parte, com receio que qualquer atitude fora do contexto estrague aquele mar de rosas. E não notamos que o mar de rosas só existe porque somos nós que entramos com as rosas. Não percebemos, uma vez que o foco não está mais em nós. E assistimos filmes de ação quando a preferência são as comédias bobinhas. Vamos fazer crossfit com os joelhos em frangalhos porque seu par acha legal isso de treinar em casal e deixamos de lado nossa predileção por dançar balé. Descobre-se, na prática, que o companheiro morre de ciúmes ... Leia Mais

Feliz ano velho: quem disse que 2020 não valeu a pena ser vivido?

Na semana passada, uma campanha publicitária de uma importante seguradora brasileira me tocou. E olha que não sou daquelas que se comovem fácil, não. Mas a criação da agência AlmapBBDO, com a linda música “Novo Tempo”, de Ivan Lins, sintetizou um pensamento que acalento desde que a pandemia varreu a nossa rotina para baixo do tapete: este ano emblemático de 2020 valeu a pena, sim. A propaganda mostra pessoas com “feitos” de 2020 descritos nas máscaras: “tive um filho”; “aprendi violão” e “me formei” são algumas das frases que aparecem. A boa sacada está justamente no fato de sair do lugar comum, sem enaltecer ideias surradas de que o isolamento serviu para praticarmos autoconhecimento, ficarmos mais juntos com nossas famílias, cultivarmos hortas e tentarmos a meditação. A mensagem central é ainda mais singela e, por isso, eficiente: a vida não está nem aí se tem vírus ou não. Ela simplesmente acontece. E passa. Para quem acorda todo dia com saúde, é necessário seguir em frente com todos os “apesar de”: apesar das máscaras que nos sufocam; apesar da vontade de abraçar e beijar como antes; apesar da falta que festas e viagens fazem; apesar do álcool gel; apesar dos medidores ... Leia Mais