[wp_show_posts id="376"]

#acomodação

A arte de se tornar descartável onde você era imprescindível

Tem gente acha que vai fazer falta para sempre na vida de alguém. Às vezes nem é por maldade, mas a sensação de ser imprescindível traz uma segurança, uma crença meio torta de que não é necessária quase nenhuma dedicação para manter a preferência. Como se o gostar do outro fosse uma fonte inesgotável de amor jorrando em sua direção. Mas amor é recurso finito. O poço seca quando só se faz retiradas. Quem ama também cansa. Cansa de aguardar por decisões que nunca chegam, cansa de acreditar que as promessas um dia serão cumpridas, cansa de receber “nãos” para todas as propostas, cansa de ver o companheiro andando em círculos e cansa de recolher migalhas depois de oferecer um banquete com o melhor de si. Cansa de ser invisível para quem sempre significou luz. Aos poucos – e talvez isso seja o mais triste –, por falta de uma atenção genuína, vamos deixando de contar nossas histórias, de pedir opinião, de fazer planos juntos e de procurar aconchego em abraços que nunca estiveram verdadeiramente dispostos a consolar. Cai a ficha de que estávamos sozinhos com nossa predileção. De protagonista a figurante Mas idolatria tem limite. O processo pode até ... Leia Mais

Não se apequene para caber nos planos de alguém: isso não é amor

Acontece meio devagar e não nos damos conta logo de cara: deixamos de fazer um curso que nos interessava e ia ajudar no trabalho, largamos a faculdade pela metade ou nos abstemos de ir morar em outra cidade em nome de ficar mais perto e por mais tempo de quem roubou nosso coração. No começo, parece o mais lógico a fazer. Afinal, que graça teria viajar – mesmo que a viagem tenha sido planejada há tempos e o destino era um sonho antigo – se a pessoa escolhida não estará junto? Mas aí o relacionamento segue e seguimos mais apaixonados, fazendo de tudo para não magoar a outra parte, com receio que qualquer atitude fora do contexto estrague aquele mar de rosas. E não notamos que o mar de rosas só existe porque somos nós que entramos com as rosas. Não percebemos, uma vez que o foco não está mais em nós. E assistimos filmes de ação quando a preferência são as comédias bobinhas. Vamos fazer crossfit com os joelhos em frangalhos porque seu par acha legal isso de treinar em casal e deixamos de lado nossa predileção por dançar balé. Descobre-se, na prática, que o companheiro morre de ciúmes ... Leia Mais

Diferença entre teimosia e determinação

Quando focamos em um só objetivo, corremos o risco de não enxergar outras possibilidades. Porque, algumas vezes, o que é enaltecido como “meta de vida” pode ser apenas um jeitinho glamouroso de não fazer nenhum movimento e esperar que caminhos se abram milagrosamente, enquanto outros, bem mais acessíveis e que também cabem no seu sonho, estão ali, ao alcance. Quantas vezes não sofremos pelo impossível? Entramos no ciclo do “eu quero porque quero”, sem notar que tem coisa melhor ali, na sala de espera da nossa convicção, aguardando um olhar mais atento. E isso acontece com carreira, amor e por aí a fora: seu objetivo é fazer medicina, mas sua realidade não permite essa dedicação integral? Resultado: lamenta e desiste de todas as faculdades. Adoraria morar na praia, mas seu trabalho está a 100 quilômetros de distância do mar? Então abandona a ideia da casa própria. Seu grande amor não compartilha da convicção de que serão felizes para sempre e, por isso, você opta por não olhar mais ninguém. Pois é. Tudo vai contra, mas você insiste, acreditando que existe uma conspiração interplanetária para te tirar do foco e jura que vai ser mais forte, dá uma banana para o ... Leia Mais

Coluna Sinta & Liga – Não acredite em tudo que falam de você. Mesmo se for verdade

Bonito, companheiro, charmoso e discreto. Fofoqueiro, maldoso, invejoso. Passamos a vida agradando e desagradando. Somos muitos em um, depende de quem nos enxerga, depende do momento. Às vezes, o mérito de ser amado ou odiado é nosso. Às vezes é apenas um palpite de quem só vê a superfície. Em tempos de excesso de exposição nas redes sociais, chovem elogios reconfortantes (nem sempre sinceros) na timeline. Amigos, gentis, solidários. Formamos um casal lindo com nossos partners. Será? Talvez a gente se contente com essas marcas-registradas – e mal atribuídas – para sair por aí, desfilando uma boniteza fake, como quem usa uma roupa de grife emprestada: se sente tão bem naquela fantasia de pessoa admirável, que se esquece de praticar os atos que fariam jus ao título. Interpreta como verdade e fecha questão. E não pensa em resolver as olheiras com noites bem dormidas porque o filtro do celular corrige o problema e porque, afinal, você não é aquela do espelho, mas a da foto escolhida para a capa da sua conta no Instagram. Um ato solitário em prol de uma instituição filantrópica, amplificado no Facebook, não te transforma em Irmã Dulce da noite para o dia, por mais que ... Leia Mais

É triste admitir, mas acostumamos com a tristeza

De tão conhecida, a tristeza vira aquela amiga íntima, de quem a gente nem gosta tanto, mas sente falta quando ela não está por perto É triste admitir, mas acostumamos com a tristeza. A gente se aninha a ela como quem recorre a um colo acolhedor. Porque, de tão conhecida, a tristeza vira amiga íntima. Sabemos exatamente a música que vai nos maltratar, mas a ouvimos à exaustão. Quem nunca chorou em frente ao espelho para olhar nos olhos da pessoa mais azarada da face da terra e se compadecer dela? E quantos de nós não optou por ir a pé, embaixo de chuva, para sentir na pele o tamanho do abandono? A tristeza temporária é inevitável e você terá por perto as pessoas que se aproximam por um tempo, normalmente aquele correspondente a um luto normal. Mas quando se insiste em fazer dessa convidada indesejada uma companhia constante, o público cansa: tristes são enfadonhos e só atraem outros tristes, normalmente preocupados com o próprio desgosto. Temos uma tendência meio suicida de protagonizar histórias tristes. Pura autopiedade ou o compromisso com um ritual macabro, que é letárgico e paralisa. A tristeza é uma poça fácil de atolar e de onde ... Leia Mais