[wp_show_posts id="376"]

Obrigatório o uso de máscaras: evitam o contágio, mas não escondem nossa verdadeira facePosted by On

Ao contrário do que alguns imaginam, as máscaras de proteção, que agora compõem o nosso look do dia, podem funcionar para evitar o contágio de doenças, como a dita cuja, mas o acessório não dá superpoderes a ninguém, como a capacidade de nos tornar invisíveis. Porque tem um povo que veste a máscara, coloca os óculos escuros e acha que ficou transparente: não dá bom dia no elevador, não cumprimenta o porteiro e segue de queixo erguido, fingindo que não te viu na rua, acreditando piamente que tampar dois terços do rosto é o suficiente para passar batido e desfilar falta de educação. A opção de material na confecção das máscaras de quem age assim, aliás, deveria ser madeira para fazer jus à cara de pau.

E tem quem ainda acredite que o mundo vai ser um lugar melhor pós-pandemia. Vai nada. Ao contrário: as situações adversas só exacerbam quem a gente realmente é. Fazem cair máscaras, isso sim. Se a pessoa já não tinha lá muita aptidão para as boas maneiras, a máscara está funcionando como um álibi e tanto para tentar se manter no anonimato quando convém.

O objetivo do isolamento seria dar um drible no vírus. Mas a quarentena está disseminando outras enfermidades da humanidade, como o desinteresse pela proximidade. Os familiares idosos são um bom exemplo. Em nome da nobreza de não transmitir o bicho, tem filho que agora está nadando de braçada, levantando a bandeira da responsabilidade pela saúde dos entes queridos, com a diferença de que não encontram os pais desde o Natal.

As lives sociais, que funcionam como alternativa para reunir amigos e familiares, são um exemplo de que pouca coisa, em termos de comportamento humano, deve mudar. O que tem de gente dando cano em reuniões digitais – e olha que o cardápio de desculpas para se esquivar do aniversário da tia é escasso, dadas as circunstâncias. E quando rola a live, percebemos que a maioria está mais preocupada em falar do que em ouvir. Igualzinho acontece na vida real, aquela que agora virou cenário de conto de fadas.

É a era das promessas. Do vamos “combinar de combinar” para quando tudo voltar ao normal. Dessa forma, tenho pelo menos umas cinco viagens programadas, 47 jantares e 120 cafés agendados e devo receber a visita de metade da minha lista de seguidores do Instagram. É atividade para umas duas encarnações.

Mas não são só bares, restaurantes e shoppings que voltarão ao funcionamento padrão. As pessoas também, com raras exceções. Porque não tem introspecção, encontro consigo mesmo ou exercício de autoconhecimento praticado durante o tempo de reclusão, que faça emergir aquilo que nunca existiu. Como cantou a banda Engenheiros do Havaii lá nos anos de 1980, somos quem podemos ser.

(Texto publicado em 24/06/2020 em: https://anamaria.uol.com.br/noticias/descomplica/uso-obrigatorio-de-mascaras-evitam-o-contagio-mas-nao-escondem-nossa-verdadeira-face.phtml)

###

Adiamos muito o momento de ser feliz. Tanto que, às vezes, nem dá para fazer
Usadas com moderação, as redes sociais agregam. E ainda bem, pois estamos diante de um
Quando focamos em um só objetivo, corremos o risco de não enxergar outras possibilidades. Porque,
Amigo devia ser carreira diplomática, com direito a graduação e MBA. E olha: poucos seriam
Às vezes nem o olhar mais atento captura, mesmo mantendo um pezinho atrás por excesso

Revista Anamaria

#AprenderALição#autoconhecimento #mudança#coronavirus#máscaras#MuletasMorais #CaminharSozinho #recomeçar #IrEmFrente #ViverApesarDe#pandemia#RevistaAnamaria#walreisemoutraspalavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *