[wp_show_posts id="376"]

O dia em que a salsinha me ensinou algo sobre humildadePosted by On

Pandemia´s time. Lista de supermercado da minha mãe em punho, luvas, máscara e lá vou eu para o front de batalha: o supermercado mais próximo, meio pequeno, daqueles que normalmente você tromba com as pessoas, faz bate-bate de carrinhos, sorri, pede desculpas e segue o jogo. Mas nesses dias não: se você vira abruptamente em um corredor e há um ser humano ali seu instinto é dar marcha ré.

Olho a folha de caderno e concluo, com a empáfia de quem sempre está – ou acha que está – andando na frente, que minha mãe esqueceu de incluir muita coisa.   E então vou passando pelas prateleiras e recolhendo biscoitos, geleias, queijo, pães de todos os formatos – porque o da semana passada, obviamente, deve ter acabado – bolo industrializado, molho de tomate, vinho. Retorno triunfante, me achando uma heroína e provedora moderna.

Já em casa, minha vai mãe me ajudando a higienizar os invólucros. Retiro os produtos das sacolinhas e vou declarando com olhar triunfante: “você esqueceu de marcar torrada, mas eu peguei…” E assim seguia minha demonstração de eficácia até que…

– Você não comprou salsinha.

Olho a lista. Sim, a salsinha estava lá, entre o detergente e a aveia em flocos. Não vi.

– Mas, mãe, pra que você queria salsinha?

– Para colocar em tudo que vai salsinha.

Tentei argumentar sobre o tempero poder esperar a próxima compra.

– O queijo e mais esse monte de coisas que você trouxe, sem eu pedir, podiam esperar. A salsinha acabou. Por isso coloquei na lista.

Nunca achei que uma hortaliça fosse me dar uma lição de moral.

Quantas vezes não tentamos convencer as pessoas sobre o que a gente “acha” que elas precisam? Quantas vezes, sob o argumento de querer o bem, não puxamos sumariamente pela mão alguém para apresentar novas possibilidades? “Olha, está vendo? Você pode conseguir isso e aquilo, você pode ser assim e assado, viajar mundos, correr maratonas, ir aqui e ali. Sua vida vai ser muito melhor.”

Quem disse? Quem, além da nossa soberba, sabe o que é o melhor para o outro? E, às vezes, pode ser até que seja, mas e se ele não quer? Se não está pronto ou simplesmente tem medo de tentar? E se meus pais não quiserem se empanturrar de biscoito recheado e sorvete só porque eu achei que o mundo deles ia ficar mais doce assim? E se tudo que minha mãe queria naquele momento era a droga da salsinha para continuar fazendo as comidas de sempre, imprimindo um padrão de normalidade em sua rotina de isolamento?

Nessa confusão danada que estamos vivendo o recálculo de rotas e de padrões de comportamento são questão de sobrevivência. E somos esbofeteados todos os dias por verdades que a gente nem sabia que existiam.

###

Adiamos muito o momento de ser feliz. Tanto que, às vezes, nem dá para fazer
Usadas com moderação, as redes sociais agregam. E ainda bem, pois estamos diante de um
Quando focamos em um só objetivo, corremos o risco de não enxergar outras possibilidades. Porque,
Amigo devia ser carreira diplomática, com direito a graduação e MBA. E olha: poucos seriam
Às vezes nem o olhar mais atento captura, mesmo mantendo um pezinho atrás por excesso

Em Outras Palavras

#AprenderALição#autoconhecimento #mudança#individualidade #respeito#realidade#soberba#walreisemoutraspalavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *