[wp_show_posts id="376"]

Coluna Sinta & Liga – Gente mais velha é igual gente nova. Só que mais velhaPosted by On

Eu não sei de onde tiraram a ideia de que idoso gosta de ser tratado como criança de 4 anos, com linguagem tatibitate.

Também me arrepia quando ouço sobre a troca de papéis, a história de os pais tornarem-se filhos. A fragilidade física e cognitiva vai requerer vigilância e cuidados extras, é verdade. Mas isso não deveria rebaixar nossos pais ao posto de “filhos”. Tenho um pouco (muita) implicância com essa conversa. Porque é negar a trajetória, anular o acúmulo de experiências e cassar os direitos de quem cometeu como único crime envelhecer.

Ao primeiro tombo na rua fica definido que não se sai mais sem acompanhante. Em nome da segurança, a panela esquecida no fogão aceso é gota d´água para o veredito de que o idoso não está apto a viver só. E, para preservar a integridade física, se negligencia o livre-arbítrio. E aí fica meio sem sentido continuar íntegro, mas sem alma.

Será que a única saída é cercear? Amputar a perna ao invés de cuidar da ferida? Pela praticidade da rotina e sob a égide de cuidar amorosamente, os mais velhos são tratados como café com leite.

Observe a quem um funcionário se reporta quando um idoso chega a uma loja, um banco ou a um laboratório acompanhado por alguém mais jovem. Parece que a conversa é a dois: “ela gosta desse tipo de blusa?”, investiga a vendedora com a terceira pessoa a meio metro de distância. “Não sei, mas ela fala a mesma língua que a gente. Tenta perguntar.”, já me vi respondendo malcriadamente. Fico pensando que, em um país onde a população idosa cresceu 26% em seis anos, as empresas deveriam orientar melhor o atendimento.

Você vai precisar falar mais alto, mais devagar e até repetir a mesma coisa uma série de vezes. Será necessário cercar os mais velhos de precauções, pensar na frente, mas tudo para que possam continuar se sentindo vivos. E sim: isso vai te tomar um tempão e requer paciência. Mas quando lembramos que é pela dignidade de quem a gente ama, fica mais fácil.

###

Sim, a intuição é um sentido que nos dá pistas fortes de uma realidade que
No romance de terror Frankenstein, da britânica Mary Shelley, o estudante de ciências naturais Victor
Tem gente acha que vai fazer falta para sempre na vida de alguém. Às vezes
A pandemia fez muito mais do que mudar nossas rotinas temporariamente e levar ao fechamento
Na minha rotina, apesar de não recomendar, costumo fazer 56 coisas ao mesmo tempo: cozinho

Revista Anamaria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *