[wp_show_posts id="376"]

https://vidasimples.co/conviver/quer-saber-va-arrumar-suas-gavetas/?fbclid=IwAR12AGu_ZZdqJaoqtRoo8icKuc-A_lPOvOAbftlgZ0d5qelzi7KX2iELBog

Às vezes nem o olhar mais atento captura, mesmo mantendo um pezinho atrás por excesso de zelo. O máximo que se sente é uma certa estranheza quando a perfeição fica meio fora da realidade. Mas aí vem o pensamento reconfortante: “por que, afinal, não tenho direito de viver uma paixão plena?” E agradece o privilégio de ser agraciada por um amor tão completo, com parceria, cumplicidade e paixão. Por isso é tão difícil engolir o que vem a seguir: você dormiu na melhor parte da história e acordou despejada de seu sonho: o amor não só não está mais ali, como nunca esteve. Nada foi real e não passou de uma miragem no deserto. E o diagnóstico é matador: você foi o brinquedo de um psicopata de relacionamentos. Como todo psicopata que se preze, não mede consequências dos seus atos simplesmente porque não sente: nem compaixão, nem remorso, nem nada. Ele a escolheu para exercitar seu teatro e foi bem sucedido, a ponto de te envolver no que parecia ser o romance da vida. Talvez pelo poder da conquista, para afiar as garras ou simplesmente constatar o quanto é fácil manipular a caça. Mas talvez a gente nunca entenda o…

Temos uma tendência de chorar o leite derramado, sempre imaginando que era o último litro. Somos inconformados com nossa própria história, insistindo que tudo teria sido perfeito se, lá atrás, tivéssemos feito diferente, pegado a outra pista na bifurcação. É fácil prever o passado, olhando agora, do confortável camarote do presente. Antes de tudo, precisamos nos perdoar pelos possíveis erros de rota que cometemos.  Algumas atitudes burras eram o melhor que podíamos fazer com as ferramentas que tínhamos para lidar com as circunstâncias daquele momento. Querer que aos 18 anos tomasse uma decisão que hoje, aos 45, tem certeza que seria a mais acertada é uma tremenda injustiça com o jovem que você foi. E esse você de antes não merece castigo eterno. Não merece ficar na prisão perpétua do arrependimento porque esse solo é areia movediça que não deixa sair do lugar quando a consciência do tal leite derramado deveria é impulsionar: retomar as rédeas para que, daqui a dez anos, não esteja novamente lamentando. O queixume pelo o que deixamos de fazer ou fizemos errado costuma emprestar uma licença poética para nos mantermos exatamente no mesmo lugar, apoiados nas muletas convenientes do autoflagelo. Este autoflagelo leva a um…

Nos primeiros dias, quando tudo era uma completa novidade, ainda teve um pouco de graça. Afinal, estávamos protagonizando um acontecimento histórico e o #vaipassar parecia ter prazo de validade curto. Então dava para manter o equilíbrio enquanto nos ocupávamos com o que, aparentemente, estava ocupando todo mundo: arrumar gavetas, brindar pela tela do celular com outros confinados, afastar a mesa da sala de jantar para fazer seu treino de Pilates todas as manhãs, religiosamente. E o tempo foi passando (e passando e ainda está passando...), enquanto nos esforçávamos para cumprir o manual do #ficaemcasa. Mas os webinars cheios de conteúdos interessantes começaram a dar um sono danado depois dos dez minutos iniciais. Aquelas receitas – super práticas e saudáveis – que te fazem ir atrás de um monte de ingrediente exótico, deixava a pia lotada de louça suja e, portanto, a meta low carb perdeu a batalha para o aplicativo da lanchonete de hambúrguer. Jeitinho nas regras Com os cuidados pessoais foi a mesma coisa: no começo nos empenhamos aprendendo com os tutoriais sobre como hidratar o cabelo e fazer unhas com autonomia. Enchemos o carrinho das lojas virtuais com pequenos milagres da cosmética e, no final, concluímos que o…

É mais ou menos como ter duas personalidades revezando o protagonismo nas 24 horas do nosso dia.  A pessoa que acorda, antes do relógio com um pique de monitor de colônia de férias, é o otimista que está enxergando o lado bom da quarentena. Reverencia o sol e a pachamama, coloca música techno e treina seguindo a videoaula do professor – visivelmente mais gordo – da academia fechada há dois meses. Fala pelos cotovelos, usando as palavras da live de autoajuda da noite anterior, toma café da manhã sem glúten e sem lactose, por conta da dica da nutricionista no Instagram. Em seguida, engole os polivitamínicos que comprou em uma dessas madrugadas insones na frente do computador, quando decidiu levar uma vida saudável às 4 horas da manhã. Dois dias depois, a encomenda chega via motoboy – aqueles aparentemente imunes ao coronavírus – e nem se lembrava mais para que os comprimidinhos coloridos serviam. Então pega o celular disposto a dar só uma espiadinha nas mensagens apocalípticas, científicas, memes, teorias da conspiração e na briga política dos grupos e, uma hora e meia depois, quando consegue finalmente soltar o aparelho e ir para o banho, metade da positividade vai para…

A pandemia está nos apresentando a uma vida familiar sem filtro. Um grande espelho que faz enxergar o que não necessariamente estamos dispostos a ver. Uma imersão compulsória para dentro da gente e da casa, que pode mostrar como a orquestra intramuros desafina. Porque é mais fácil ter a família perfeita quando não se fica 24 horas com ela em uma rotina que passa longe de ser de férias. É como descobrir a sujeira embaixo do tapete – que, literalmente, você descobriu depois que começou a por a mão na massa e fazer faxina. São situações das quais tentamos nos esquivar no dia a dia dos tempos normais, tampando o sol com a peneira, procurando desfocar para não encarar certas verdades, que agora estão gritando com a gente. Talvez até desconfiássemos de que havia alguma coisa errada com nossos relacionamentos mais íntimos, aqueles entre marido e mulher, filhos e nossos pais. Mas íamos empurrando com a barriga porque, afinal, não era tão difícil assim coabitar com os outros moradores nas poucas horas entre o despertar e o café da manhã ou entre o jantar e a hora de dormir. Mas agora acontece uma espécie de intensivão e a tropeçamos na…